A guerra sob o olhar de “Band of Brothers” e “The Pacific”:

A parceria entre Steven Spielberg e Tom Hanks gerou um dos filmes mais lucrativos da história: “O Resgate do Soldado Ryan” (Saving Private Ryan, 1998), que dispensa apresentações. Dessa grandiosa parceria, surgiram novos projetos: “Band of Brothers” e “The Pacific”, também ambientados durante a Segunda Guerra Mundial, mas agora sob diferentes pontos de vista. Produzidas pela HBO, ambas as séries aproximam o espectador da rotina vivida pelos soldados, apresentando seus conflitos internos e externos.

Band of Brothers

band-of-brothers-movie-poster-1020215264
“Tudo o que sabíamos era que estávamos nisso juntos.”

“Band of Brothers” é uma minissérie que retrata a Segunda Guerra Mundial através da visão da Companhia Easy, um regimento do exército americano enviado para lutar contras as Potências do Eixo, na Europa, desde seu treinamento nos acampamentos, sua chegada à Normandia até a ocupação em Berlim. A minissérie teve sua estreia em 2001, contendo apenas 10 episódios.

Os personagens não são fictícios como em muitos filmes que retratam as guerras, cada episódio mostra as batalhas sob a perspectiva de alguns soldados, de acordo com o depoimento dos veteranos que sobreviveram ao conflito. No decorrer da história é possível acompanhar a evolução dos personagens e os vínculos de amizade e união construídos por eles, assim como os inevitáveis sentimentos de perda causados pela devastação da guerra. É difícil não se contagiar com o foco de certos personagens, como Richard “Dick” Winters, interpretado por Damian Lewis, que vai ganhando destaque, respeito e admiração ao longo dos episódios, mostrando-se um excelente soldado e um grande amigo.

A série aponta inúmeros acontecimentos marcantes para a história mundial, acontecimentos estes que chocam o mundo até hoje, como o Holocausto e os campos de concentração nazistas.  Durante os episódios, é revelado também que nem todo alemão era nazista por opção, e nem todo americano agia como um herói. É muito curioso esse tipo abordagem, explorando a humanidade das facções rivais em meio aos seus calvários. Foi admirável perceber que até mesmo os soldados americanos puderam se emocionar ao ouvirem um discurso nazista. Mostrando que as palavras podem se dirigir a qualquer um, sem distinguir raça, origem ou nacionalidade, uma análise de que não deveria existir distinções na humanidade. E enquanto houver, haverá guerra.

band-of-brothers-why-we-fight-392
O Holocausto foi um dos piores eventos registrados na História.
damianlewisdickwinters2
Richard Winters e seu intérprete, Damian Lewis.

Band of Brothers tem um estilo de documentário, por se tratar de um evento histórico, por isso não espere nada surpreendente como em uma ficção, entretanto, a série recebeu diversas críticas negativas por retratar diversos erros históricos em seus episódios, basicamente sobre o destino de alguns dos soldados após a guerra e erros nas datas de certos acontecimentos. Alguns episódios são bem longos e entediantes, mas ao final você percebe como foi bom continuar assistindo. Não é uma série que venha a se tornar inesquecível, mas é muito significativa para quem gosta de história e quer conhecer um pouco mais sobre a Segunda Guerra Mundial, ou para quem gosta do gênero.


The Pacific

pacific_ver2

“The Pacific” teve sua estreia em 2010, contendo 10 episódios, e segue os mesmos passos de Band of Brothers, a diferença é que esta minissérie é focada no Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha Norte Americana,  enviados ao Pacífico para confrontar os japoneses, aliados dos nazistas.

Sua trama tem como protagonistas três soldados, os fuzileiros Eugene Sledge (Joseph Mazello), Robert “Bob” Leckie (James Badge Dale) e o sargento John Basilone (Jon Seda), narrando como cada um lida com a fama, com seus relacionamentos e com seus pesadelos antes e durante o pós-guerra.

Mantendo um tom mais dramático que “Band of Brothers”, “The Pacific” nos mostra como a guerra transforma o mais sensível em um cruel assassino, o mais sóbrio em insano e os mais valentes em covardes. Aborda como os recrutas são desprezados até criarem amizades e provarem o quanto são merecedores de respeito. Também nos mostra como os soldados sofrem com o clima pesado do Pacífico, alternando entre o frio congelante e o calor infernal, em ambientes selvagens como as ilhas de Guadalcanal e Okinawa. Em situações extremas é que você realmente conhece o ser humano.

basilone
John Basilone em meio à degradação causada pela guerra.

O mais interessante da série é poder acompanhar o desenrolar da guerra sob um ponto de vista menos popular, já que o nazismo é o “sinônimo” da Segunda Guerra Mundial para muitas pessoas, e também conhecer um pouco dos soldados que se arriscaram tanto quanto aqueles que lutaram na Europa, mas que possuem um reconhecimento não tão generoso.

the_pacific_backstage_hbo
Rami Malek e Joseph Mazello nos bastidores da série.

Mas apesar de ser mais recente e ter melhores efeitos, “The Pacific” é bem arrastada, o enredo dos primeiros episódios é bem cansativo e desnecessário. As batalhas perderam seu impacto em meio ao núcleo dramático… Poderiam ser mais impressionantes e o desenvolvimento dos episódios finais parece apressado. O final em si, pelo menos, é mais agradável e bem interessante, devido aos diálogos e ao desfecho da história.  Em “The Pacific” é perceptível a falta de inovação com um tema bastante retratado no cinema ou na televisão.

Levando em conta o ponto de vista de que a série focou-se em homenagear a ação dos soldados e mostrar sua devastação pessoal, a narrativa cumpre seu objetivo de uma maneira trabalhada fora do contexto bélico, afinal a guerra foi vivida dentro e fora dos campos de batalha, e mostrar apenas as batalhas não seria um grande acréscimo à história dos personagens. “The Pacific” quis dar um outro olhar aos soldados, mas faltou algo para prender a atenção do espectador como fez “Band of Brothers” dez anos antes…

Assim como “Band of Brothers”, “The Pacific” ilustra a guerra para o espectador conhecer um pouco mais sobre o que aprendeu lendo os livros de História.

 “A História se lembra da guerra, mas esquece do sangue derramado” – Frase do filme “Abraham Lincoln, Caçador de Vampiros.”

Quer ver uma análise das suas séries e filmes preferidos aqui? Não se esqueça de deixar um comentário.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s